Diretor-Presidente do Conapra rece­be home­na­gem por 92 doa­ções de san­gue

Doadores de san­gue são heróis anô­ni­mos que aju­dam a sal­var vidas que des­co­nhe­cem. Porém, na Semana Nacional do Doador Voluntário de Sangue, o Hemorio faz ques­tão de lem­brá-los em uma cerimô­nia. Entre eles, este­ve, mais uma vez, o Diretor-Presidente do Conapra, Prático Gustavo Henrique Alves Martins, que já fez 92 doa­ções somen­te no ins­ti­tu­to esta­du­al.

Os doa­do­res e par­cei­ros do Hemorio foram home­na­ge­a­dos pelo ges­to altruís­ta e huma­ni­tá­rio na sede da uni­da­de, no Rio de Janeiro, na últi­ma quar­ta-fei­ra (27/11). Gustavo Martins rece­beu o reco­nhe­ci­men­to, em meda­lha e cer­ti­fi­ca­do, do Diretor-Geral Luiz Amorim. Ele é doa­dor por afé­re­se, um tipo de doa­ção em que se cole­ta ape­nas um com­po­nen­te espe­cí­fi­co do san­gue: pla­que­tas ou hemá­ci­as. Além dis­so, está cadas­tra­do como doa­dor de órgãos e de medu­la óssea.

O Diretor-Presidente do Conapra dis­se que o ato de doar san­gue tem o mes­mo espí­ri­to do apoio fre­quen­te da Praticagem a ações de socor­ro e sal­va­men­to em mares e rios:

– No momen­to em que a Praticagem toma conhe­ci­men­to de vidas em ris­co, ela não mede esfor­ços para aju­dar alguém que está em peri­go, não impor­ta quem seja. E isso se com­pa­ra mui­to à doa­ção de san­gue, por­que não sabe­mos quem esta­mos bene­fi­ci­an­do. O nos­so prin­ci­pal prê­mio é a satis­fa­ção por sal­var uma vida. É algo que pode­mos fazer peri­o­di­ca­men­te, sem pre­juí­zo à nos­sa saú­de, e uma for­ma de demons­trar­mos o nos­so amor ao pró­xi­mo. Devemos cui­dar uns dos outros.

A jovem Gabriela, de 22 anos, fez um agra­de­ci­men­to emo­ci­o­na­do aos doa­do­res. Ela faz tra­ta­men­to de trans­fu­são des­de peque­na:

– Muitos de vocês fazem par­te de mim hoje em dia. Já per­di mui­tos ami­gos nes­sa cami­nha­da. Vocês mere­cem aplau­sos todos os dias do ano.

Durante o even­to, o gru­po de sam­ba da Comlurb “Chegando de Surpresa” fez uma apre­sen­ta­ção ao públi­co, com a par­ti­ci­pa­ção do gari Renato Sorriso, figu­ra emble­má­ti­ca do car­na­val cari­o­ca. As come­mo­ra­ções da Semana cele­bram o Dia Nacional do Doador de Sangue (25 de novem­bro). Este ano, o tema foi “Doar san­gue é sen­tir-se vivo em outro cora­ção”.

Devido à fal­ta de cul­tu­ra de doa­ção no mun­do, o ato volun­tá­rio se faz sem­pre neces­sá­rio, mas é ain­da mais impor­tan­te nes­te perío­do pró­xi­mo de fes­ti­vi­da­des, quan­do uma bai­xa sig­ni­fi­ca­ti­va nos esto­ques do Hemorio põe em ris­co o abas­te­ci­men­to das 180 uni­da­des de saú­de públi­cas aten­di­das no Estado do Rio.

Para doar é pre­ci­so con­fe­rir requi­si­tos bási­cos como:

- Estar bem de saú­de;

- Apresentar docu­men­to com foto emi­ti­do por órgão ofi­ci­al e váli­do em todo o país, ou cópia auten­ti­ca­da;

- Ter entre 16 e 69 anos, 11 meses e 29 dias. Menores de 18 anos devem apre­sen­tar auto­ri­za­ção por escri­to dos pais ou res­pon­sá­veis: http://www.hemorio.rj.gov.br/Html/PDF/Menor_idade.pdf;

- Pesar no míni­mo 50kg;

- Não estar em jejum e evi­tar ali­men­tos gor­du­ro­sos nas 4 horas que ante­ce­dem a doa­ção.

Doação por afé­re­se:

- Seguem as mes­mas con­di­ções, mas é impor­tan­te que o can­di­da­to já seja doa­dor do Hemorio;

- A trans­fu­são de pla­que­tas e/ou hemá­ci­as con­tri­bui com paci­en­tes em tra­ta­men­to de doen­ças hema­to­ló­gi­cas como leu­ce­mia e outros tipos de cân­cer; cirur­gi­as car­día­cas; trans­plan­tes de órgãos; e emer­gên­ci­as de modo geral;

- Uma doa­ção por afé­re­se con­tém seis vezes mais pla­que­tas do que uma doa­ção comum e duas vezes o núme­ro de hemá­ci­as.

Mais infor­ma­ções em: http://www.hemorio.rj.gov.br/

Disque Sangue: 0800 2820708