,

SEMINÁRIO ESCLARECE DÚVIDAS SOBRE CALADO DINÂMICO NA AMAZÔNIA

A Praticagem da Bacia Amazônica Oriental par­ti­ci­pou, na últi­ma quar­ta-fei­ra (16/03), do Seminário de Navegação na Barra Norte, no qual foram con­si­de­ra­das todas as ques­tões rele­van­tes sobre o iní­cio da imple­men­ta­ção do sis­te­ma de cala­do dinâ­mi­co na bar­ra nor­te do Rio Amazonas.

Os pales­tran­tes con­vi­da­dos pude­ram res­pon­der às per­gun­tas sobre os equi­pa­men­tos, a meto­do­lo­gia de cole­ta e divul­ga­ção de dados e os resul­ta­dos espe­ra­dos a cur­to, médio e lon­go pra­zos. O even­to ocor­reu no 4° Distrito Naval, em Belém, e foi coman­da­do pelo vice-almi­ran­te Edgar Luiz Siqueira Barbosa.

A ideia de esta­be­le­cer um sis­te­ma de cala­do dinâ­mi­co nas­ceu ain­da em 2017, quan­do a pra­ti­ca­gem ela­bo­rou um estu­do téc­ni­co e ins­ta­lou um maré­gra­fo no Canal Grande do Curuá, a 70 milhas náu­ti­cas da bar­ra norte.

Em 8 de feve­rei­ro, a Cooperativa de Apoio e Logística aos Práticos da Zona de Praticagem 1 (Unipilot) e o Comando do 4º Distrito Naval assi­na­ram um pro­to­co­lo visan­do à implan­ta­ção do sis­te­ma. No últi­mo dia 10, foi fun­de­a­da a pri­mei­ra de três boi­as mete­o­ce­a­no­grá­fi­cas que vão per­mi­tir pre­vi­sões ain­da mais pre­ci­sas na bar­ra nor­te. Serão moni­to­ra­dos, em tem­po real, dados de cor­ren­tes, altu­ra de maré e den­si­da­de da água, duran­te todos os dias da semana.

A bar­ra nor­te é um tre­cho raso e lamo­so de 24 milhas náu­ti­cas, na foz do Rio Amazonas, e deli­mi­ta o car­re­ga­men­to de todos os navi­os na Bacia Amazônica. Os inves­ti­men­tos da pra­ti­ca­gem na son­da­gem das pro­fun­di­da­des dos rios, assim como no levan­ta­men­to das marés, já con­tri­buí­ram para a Marinha aumen­tar o cala­do (par­te sub­mer­sa) das embar­ca­ções de 11,50 metros, em 2017, para os 11,90 metros em tes­tes atualmente.

Com o cala­do dinâ­mi­co, a expec­ta­ti­va da pra­ti­ca­gem é che­gar aos 12,50 metros em cer­tas jane­las de maré, agre­gan­do efi­ci­ên­cia e segu­ran­ça para as ope­ra­ções do agro­ne­gó­cio que expor­ta pelo Arco Norte.

– Estamos oti­mis­tas com os pas­sos lar­gos dados nos últi­mos meses e com a velo­ci­da­de que o pro­je­to tem se desen­vol­vi­do nas últi­mas sema­nas – diz Eliud Fialho, ana­lis­ta de logís­ti­ca da Unipilot.