Em mais uma ação de apoio a bus­cas e sal­va­men­tos, a Praticagem do Espírito Santo res­ga­tou, na tar­de de 2 de novem­bro, dois náu­fra­gos de uma embar­ca­ção que afun­dou nas pro­xi­mi­da­des da Ilha Escalvada, em Guarapari. Eles eram tri­pu­lan­tes do rebo­ca­dor “Oceano I”, que havia saí­do do Porto de Vitória na manhã do dia ante­ri­or com pre­vi­são de che­ga­da às 12 horas do dia seguin­te no Porto de Açu, no Rio de Janeiro. Os dois foram res­ga­ta­dos bas­tan­te debi­li­ta­dos pela tri­pu­la­ção da lan­cha Falésia I, da pra­ti­ca­gem, e rece­be­ram a bor­do os pri­mei­ros socor­ros. Um deles apre­sen­ta­va sinais de hipotermia.

Ao tomar conhe­ci­men­to de que o rebo­ca­dor não che­gou no des­ti­no, mili­ta­res da Capitania dos Portos rea­li­za­ram bus­cas nas redon­de­zas das Três Ilhas, onde foi rea­li­za­do o últi­mo con­ta­to, mas não obti­ve­ram suces­so. No fim da tar­de do dia 2, a Companhia Docas do Espírito Santo infor­mou que duas pes­so­as havi­am sido avis­ta­das na área de fun­deio de Vitória. Às 17h54min, foi soli­ci­ta­do apoio à pra­ti­ca­gem que ime­di­a­ta­men­te des­ta­cou a lan­cha Falésia I para o local.

O res­ga­te ocor­reu às 18h20min. Os homens esta­vam pró­xi­mos à popa do navio Cosco Jin Xiu. Um deles, sem cole­te, não teve con­di­ções físi­cas de subir pela esca­da de popa da lan­cha e foi puxa­do pelo maca­cão para o con­vés. Durante o des­lo­ca­men­to para ter­ra, com apoio do cen­tro de ope­ra­ções da pra­ti­ca­gem (ata­laia), foi infor­ma­do à Capitania o esta­do de saú­de de ambos, para que fos­sem soli­ci­ta­das as pro­vi­dên­ci­as médi­cas ade­qua­das. Às 18h55min, a Falésia I atra­cou no cais da Capitania, onde eles foram trans­fe­ri­dos para uma ambulância.

De acor­do com a últi­ma nota da Marinha, um ter­cei­ro tri­pu­lan­te con­ti­nua desa­pa­re­ci­do e as bus­cas con­ti­nu­am. Informações sobre o seu para­dei­ro e demais emer­gên­ci­as podem ser enca­mi­nha­das pelo tele­fo­ne 185.

Cooperar com ati­vi­da­des de bus­ca e sal­va­men­to sem­pre que soli­ci­ta­da é um dos deve­res da Praticagem do Brasil pre­vis­tos nas Normas da Autoridade Marítima para o Serviço de Praticagem (NORMAM-12/DPC).