A Praticagem do Rio de Janeiro ins­ta­lou, em ane­xo ao seu cen­tro de con­tro­le ope­ra­ci­o­nal, um cen­tro de simu­la­ções de mano­bras de alta tec­no­lo­gia. São dois simu­la­do­res inte­gra­dos e uma sala de con­tro­le e ins­tru­ção capa­zes de simu­lar com pre­ci­são mano­bras de navi­os sob a influên­cia de con­di­ções ambi­en­tais espe­cí­fi­cas e em cená­ri­os desen­vol­vi­dos para todos os por­tos e ter­mi­nais que com­põem a Zona de Praticagem do Estado do Rio de Janeiro (ZP-15), além dos seus canais de acesso.

Um simu­la­dor é do tipo Full Mission. Com visu­a­li­za­ção do ambi­en­te exter­no em 240 graus, ele alter­na mode­los de diver­sos tipos de navi­os, com con­tro­les para dife­ren­tes tipos de pro­pul­são, inclu­si­ve azimutal.

O outro simu­la­dor, inte­gra­do ao pri­mei­ro, é do tipo Part Task. Com visu­a­li­za­ção do ambi­en­te exter­no em 90 graus, ele simu­la a ação de um rebo­ca­dor por­tuá­rio com pro­pul­são azi­mu­tal, con­tro­la­do a par­tir de uma pol­tro­na com con­tro­les azi­mu­tais nos bra­ços. Essa inte­gra­ção per­mi­te ao prá­ti­co da mano­bra inte­ra­gir com o coman­dan­te do rebo­ca­dor duran­te a simulação.

Já a sala de con­tro­le pode gerar dife­ren­tes tipos de fai­nas de pra­ti­ca­gem, em qual­quer por­to, ter­mi­nal ou canal de aces­so, assim como gerar outros navi­os para inte­ra­ção com o navio simu­la­do e mais rebo­ca­do­res, pos­si­bi­li­tan­do simu­lar mano­bras com o con­cur­so de vári­os rebo­ca­do­res. Todo o sis­te­ma foi desen­vol­vi­do e ins­ta­la­do pela Technomar Engenharia Oceânica.

– O cen­tro de simu­la­ções será empre­ga­do no trei­na­men­to de nos­sos prá­ti­cos, que pode­rão rea­li­zar qual­quer mano­bra que já exe­cu­tam no mun­do real, apri­mo­ran­do sua exper­ti­se, inclu­si­ve em situ­a­ções de emer­gên­cia como per­das de máqui­nas e leme. Também per­mi­ti­rá uma fami­li­a­ri­za­ção rápi­da com novos navi­os que venham a ope­rar na nos­sa ZP, como os por­ta-con­têi­ne­res de 366 metros de com­pri­men­to, e com novos ter­mi­nais, canais ou ber­ços que sejam desen­vol­vi­dos – expli­ca o pre­si­den­te da Praticagem do Rio de Janeiro, Marcello Camarinha.

A pra­ti­ca­gem está fina­li­zan­do ain­da um ter­mo de coo­pe­ra­ção téc­ni­ca com o Laboratório Tanque de Provas Numérico da Universidade de São Paulo (TPN-USP), refe­rên­cia em simu­la­ções, con­gre­gan­do o conhe­ci­men­to dos prá­ti­cos ao da Academia.