A Marinha do Brasil, em par­ce­ria com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, pro­je­tou a ima­gem de um cole­te sal­va-vidas no monu­men­to do Cristo Redentor. A ação, no últi­mo domin­go (4/7), teve o obje­ti­vo de inten­si­fi­car este ano a divul­ga­ção da cam­pa­nha “Salvando Vidas”, que con­tou com o apoio da Praticagem do Rio na aqui­si­ção de cole­tes. O mate­ri­al está sen­do dis­tri­buí­do aos repre­sen­tan­tes das colô­ni­as de pes­ca arte­sa­nal duran­te as ins­pe­ções navais.

A cam­pa­nha é uma ini­ci­a­ti­va da Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ), com o apoio do Comando do 1º Distrito Naval, da Diretoria de Portos e Costas e do Tribunal Marítimo. Além da arre­ca­da­ção e dis­tri­bui­ção de cole­tes, estão pre­vis­tas outras ações de cons­ci­en­ti­za­ção da segu­ran­ça da nave­ga­ção, como pales­tras e muti­rões visan­do a regu­la­ri­zar as embar­ca­ções des­pro­vi­das do item de salvatagem.

A arre­ca­da­ção dos cole­tes sal­va-vidas con­tou com o apoio da Sociedade Amigos da Marinha no Rio de Janeiro (Soamar-Rio) e teve como patro­ci­na­do­res o Sindicato das Agências de Navegação Marítima e Atividades Afins do Estado do Rio de Janeiro (SindaRio), o Instituto Mar e Portos (Imapor) e a Camorim Serviços Marítimos, além da Praticagem do RJ.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o afo­ga­men­to não inten­ci­o­nal é a ter­cei­ra mai­or cau­sa de mor­te no mun­do, com cer­ca de 236 mil víti­mas por ano. No entan­to, os núme­ros podem ser ain­da mai­o­res por con­ta das subnotificações.

A Marinha do Brasil, por meio de suas Capitanias, Delegacias e Agências, rea­li­za roti­nei­ra­men­te a ati­vi­da­de de ins­pe­ção naval, na qual fis­ca­li­za, entre outros itens, o mate­ri­al de sal­va­ta­gem das embar­ca­ções. Nas abor­da­gens no Rio de Janeiro, mui­tos con­du­to­res não estão com seus cole­tes a bor­do, colo­can­do suas vidas e a dos tri­pu­lan­tes em risco. 

Imagens: Marinha do Brasil (Cristo Redentor) e Soamar-RJ (doa­ção)