Falcão volta a defender integração do setor portuário

No encer­ra­men­to do Fórum Nacional de Logística e Infraestrutura Portuária (Brasil Export), em Brasília, o pre­si­den­te da Praticagem do Brasil, prá­ti­co Ricardo Falcão, defen­deu uma inte­gra­ção mai­or do setor na bus­ca por solu­ções de esco­a­men­to a pre­ços competitivos. 

– Precisamos todos estar sen­ta­dos jun­tos, deba­ten­do, não enti­da­des estan­ques, sejam elas públi­cas ou pri­va­das. Temos que con­ver­sar de manei­ra hones­ta na mesa sobre os nos­sos pro­ble­mas e como cada um pode con­tri­buir para che­gar­mos a um bom resul­ta­do – afir­mou Falcão duran­te balan­ço sobre o Norte Export, o pri­mei­ro da série regi­o­nal do even­to, do qual ele foi o coordenador. 

Segundo o pre­si­den­te da pra­ti­ca­gem, é pre­ci­so tra­zer para a dis­cus­são par­la­men­ta­res, o Ministério da Infraestrutura, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e todo o seg­men­to privado:

– São mui­tos os desa­fi­os e neces­si­ta­mos cada vez mais des­te debate.

Falcão lem­brou que o país tem carên­ci­as de infra­es­tru­tu­ra bem laten­tes, como vis­to na cri­se de abas­te­ci­men­to de ener­gia no Amapá, mas fri­sou que a solu­ção para a expor­ta­ção da pro­du­ção do Centro-Oeste con­ti­nua sen­do pelo Norte: 

– O agro­ne­gó­cio pre­ci­sa des­sa região para o seu esco­a­men­to, seja via Rio Madeira che­gan­do em Itacoatiara (AM) ou por meio das outras hidro­vi­as. Cada cen­ta­vo que a gen­te con­si­ga melho­rar em efi­ci­ên­cia, melhor para a nos­sa balan­ça comer­ci­al e o país.

O vice-gover­na­dor do Amapá, Jaime Nunes, repre­sen­tan­do o gover­na­dor Waldez Góes, corroborou:

– Como dis­se Ricardo Falcão, essa dis­cus­são não é de uma região, mas do Brasil intei­ro. Busca-se a inte­gra­ção dos modais (de trans­por­te) com efi­ci­ên­cia e a um menor cus­to. Isso é mui­to impor­tan­te para o for­ta­le­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra e a gera­ção de empre­gos. Que encon­tre­mos solu­ções comuns a todos os esta­dos e ao Brasil. 

O pre­si­den­te da Companhia Docas de Santana, Glauco Cei, com­par­ti­lhou da mes­ma opinião:

– Há mui­ta pro­du­ção a ser expor­ta­da. É pre­ci­so que os por­tos da região este­jam uni­dos para que a gen­te tra­ga essa car­ga para cá. Tem espa­ço para todos.

Também estão pre­sen­tes no Brasil Export, que ter­mi­na nes­ta ter­ça-fei­ra (24/11), os con­se­lhei­ros do Sul Export, prá­ti­co João Bosco, e do Sudeste Export, prá­ti­co Hermes Bastos Filho e Arionor Souza, secre­tá­rio exe­cu­ti­vo do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra). Tanto o Brasil Export quan­to as suas edi­ções regi­o­nais tive­ram apoio da Praticagem do Brasil.

Imagens: Vitor Francisco Brandão Junior/Divulgação Brasil Export