Diretor do Conapra des­ta­ca inves­ti­men­tos na mai­or zona de pra­ti­ca­gem do mun­do

A pra­ti­ca­gem do Amapá adqui­riu a moder­na lan­cha BAP, que faz par­te da pri­mei­ra fase dos novos inves­ti­men­tos no esta­do com o intui­to de man­ter o altís­si­mo nível de segu­ran­ça da nave­ga­ção. A embar­ca­ção é a mai­or em ope­ra­ção na mai­or zona de pra­ti­ca­gem do mun­do, que inclui, além do Amapá, Pará e Amazonas, tota­li­zan­do 1.300 milhas. Diretor do Conapra e vice-pre­si­den­te da Associação Internacional de Práticos Marítimos (IMPA), o prá­ti­co Ricardo Falcão des­ta­cou os inves­ti­men­tos na região ao lon­go da his­tó­ria:

– A pra­ti­ca­gem é par­te ati­va do pro­ces­so de desen­vol­vi­men­to regi­o­nal há mais de 150 anos. Permanentemente está dis­po­ní­vel, estru­tu­ra­da e con­ta com pro­fis­si­o­nais habi­li­ta­dos, qua­li­fi­ca­dos e capa­zes de supe­rar desa­fi­os que dei­xam estran­gei­ros estu­pe­fa­tos por onde vou. Investimos pri­va­da­men­te em toda a nos­sa região de atu­a­ção. Fizemos son­da­gens que evi­ta­ram enca­lhes e per­mi­ti­ram que navi­os tra­fe­gas­sem em segu­ran­ça car­re­ga­dos no cala­do máxi­mo. Contribuímos com um melhor moni­to­ra­men­to em pon­tos estra­té­gi­cos, ado­ta­mos padrão de auxí­lio ele­trô­ni­co empre­ga­do nas pra­ti­ca­gens mais avan­ça­das do exte­ri­or e nos qua­li­fi­ca­mos em cur­sos no mun­do todo.

Graças aos inves­ti­men­tos fei­tos, a pra­ti­ca­gem vem asse­gu­ran­do o bai­xís­si­mo índi­ce de aci­den­tes na zona de pra­ti­ca­gem e cum­prin­do o seu dever regu­la­men­tar de coo­pe­rar com diver­sos sal­va­men­tos nas ime­di­a­ções de Macapá, com­ple­tou Falcão.

– Para toda a comu­ni­da­de marí­ti­ma, uma máxi­ma é bus­ca­da a todo cus­to: o silên­cio é o som da segu­ran­ça. Aqui no Amapá e em toda Bacia Amazônica garan­ti­mos que até hoje não tive­mos aci­den­tes de gran­des pro­por­ções e der­ra­ma­men­to de óleo. Operamos pro­te­gen­do comu­ni­da­des pes­quei­ras e áre­as de pre­ser­va­ção ambi­en­tal.